Descrição de chapéu Humanos da Folha jornalismo

Apaixonado por cinema, seu Issa foi um precursor dos anúncios de filme no jornal

Vendedor de espaço para publicidade na Folha, não perdia a chance de ser fotografado com estrelas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Era peculiar o seu jeito de pronunciar as palavras, sobretudo quando se tratava dos nomes dos astros e estrelas hollywoodianos e da filmografia estrangeira que tanto lhe eram caros. Apurados, os ouvidos de Issa Gubeisse sabiam distinguir de longe as melodias que imortalizaram os clássicos do cinema. Ele era, pode-se dizer, um aficionado da sétima arte.

Não era crítico, mas espectador assíduo e, mais que isso, um ótimo vendedor de espaço para a publicidade de filmes neste jornal. Seu Issa, como era conhecido, foi o primeiro a trazer um anúncio de lançamento de cinema publicado em página inteira, no caderno Ilustrada, da Folha. A façanha foi um marco comercial no fim dos anos 1970, quando essa indústria ainda não tinha a estrutura robusta de grandes exibidores, os chamados multíplex.

Issa e Jean-Claude Van Damme, em 1995, no lançamento de ‘Morte Súbita’
Issa e Jean-Claude Van Damme, em 1995, no lançamento de ‘Morte Súbita’ - Reprodução/Acervo Pessoal

Seu Issa respirava cinema. Se, durante a semana, os filmes eram parte de seu trabalho, aos domingos, eram o seu lazer. Ele levava a família às grandes salas do centro da capital paulista, onde as pessoas ainda se encantavam com as gigantescas telas.

Uma música de filme que tocasse no rádio ou na TV de casa logo era assunto de conversa em família. Seu Issa, à maneira de um professor que tomasse o ponto dos alunos, indagava dos três filhos —Lidia, Nair e Carlos Alberto— a que filme pertencia a melodia.

Estudou apenas até o ginásio. Quando moço, trabalhava, durante o dia, numa loja de tecidos e, à noite, no antigo jornal Gazeta Esportiva.

Sua paixão e entusiasmo para com o trabalho deixaram um exemplo para todo o time da publicidade

Marcelo Benez

Diretor-executivo comercial da Folha

À Folha, chegou em 1977 para comercializar espaços publicitários para peças de teatro, shows e, principalmente, para o cinema. “Independentemente de ser focado na área cultural, sua paixão e entusiasmo para com o trabalho deixaram um exemplo para todo o time da publicidade”, afirma Marcelo Benez, 51 anos, 27 deles na Folha, diretor-executivo da área Comercial.

Seu Issa não perdia uma estreia de filme, tampouco a chance de ser fotografado na companhia de atores e diretores. Na sua galeria, figuravam, entre outros rostos, Michael Douglas, Jack Palance, Franco Zeffirelli e Roman Polanski.

Em 1995, quando Jean-Claude Van Damme veio a São Paulo para o lançamento do filme “Morte Súbita”, lá se foi seu Issa para registrar o encontro ao lado do ídolo que fazia sucesso em filmes de ação com artes marciais. Mandou emoldurar a foto num quadro, que pendurava na parede do Departamento Comercial.

Fez mais: imprimiu-a em uma camiseta, que ostentava com o orgulho de quem carrega um valioso troféu. “Ele via o Van Damme como alguém forte, porém sensível e gentil. Meu pai se identificava com ele”, recorda-se Nair, 64.

A paixão do papai era a família e a Folha

Lidia

Filhe de seu Issa

Ele ganhava de exibidores e distribuidores uma boa quantidade de ingressos para assistir às películas, com os quais fazia pequenos agrados a quem quer que fosse. Do motorista ao padeiro, passando por amigos dos filhos e colegas de trabalho, todo o mundo esperava o mimo que ele sacava do bolso cheio do paletó.

Ao entrar na Folha, por volta das 7h, a primeira coisa que fazia era ler os jornais. Separava os exemplares e os distribuía para toda a equipe. Alertava os parceiros do Comercial quando via um anúncio de filme na concorrência.

Mesmo aposentado, não deixou de trabalhar. “A paixão do papai era a família e a Folha”, conta Lidia, 68.

Certa feita, no caminho do trabalho, sofreu uma queda e quebrou o fêmur da perna direita. No hospital, submeteu-se a uma cirurgia e descobriu outro problema: os rins já não funcionavam como antes.
Com a lábia de vendedor, a simpatia de sempre e os ingressos no bolso, tentou convencer enfermeiros a deixá-lo sair antes da hora, pois precisava “dar um pulinho na Folha”. O que queria, a qualquer custo, era manter-se em ação.

Passava um pouco das 19h de 29 de maio de 2013 quando a última luz se apagou para seu Issa. Na despedida, o caixão foi coberto com a bandeira da Portuguesa, time que dividia com os astros do cinema o coração dele. Nos pés, levou desta vida o mesmo par de sapatos, feitos à mão pelo pai sírio, com que era visto em suas idas às estreias de cinema.

Issa Gubeisse (1924-2013)

Nasceu em São Paulo, filho de pais sírios. Seu sonho era ser jornalista especializado em cinema. Embora não tenha realizado essa aspiração, chegou a ser tratado como tal em cerimônias de entrega de prêmio por sua devoção ao universo cinematográfico no Brasil e na Itália. Entrou no Comercial da Folha em 1977.

Este texto faz parte do projeto Humanos da Folha, que apresenta perfis de profissionais que fizeram história no jornal. ​​

Humanos da Folha

Conheça a história de profissionais que trabalharam no jornal

  1. Com 50 anos de carreira, Passarelli ganhou Prêmio Esso de Fotografia inédito para a Folha

  2. Fotógrafo se consagrou com imagem das Diretas-Já que foi capa da Folha

  3. 'Era elogiada por fotografar igual a homem', lembra Renata Falzoni

  4. Entre patos e formigas, obra de Ciça compõe fábula política do Brasil

  5. Fotógrafo da Folha se consagrou com imagem histórica do general Costa e Silva

  6. Morre o jornalista Celso Pinto, criador do jornal Valor Econômico, aos 67 anos

  7. Fotógrafo da Folha escondeu filme para retratar sessão de eletrochoque em manicômio

  8. Morto há uma década, Glauco unia humor ácido e carinho por personagens

  9. Editora da Ilustrada fez caderno 'da cultura e da frescura' nos anos 70

  10. História de êxito de Mauricio de Sousa começou como repórter policial na Folha

  11. Clóvis Rossi estaria indignado com a realidade brasileira, diz filha

  12. Me viam como 'patricinha', diz Joyce Pascowitch, que inovou o jeito de fazer coluna social nos anos 80

  13. Elvira Lobato revelou poço para teste de bomba atômica e império da Igreja Universal

  14. Fortuna se consagrou como 'o cartunista dos cartunistas'

  15. Com estrela de xerife, Caversan ocupou diversos cargos de edição na Folha

  16. Erika Palomino inovou na cobertura da noite paulistana

  17. Niels Andreas fotografou massacre do Carandiru e 50 anos de Israel

  18. Natali foi correspondente em Paris e uniu música e trabalho

  19. Dona Vicentina trabalhou como secretária na Folha durante mais de 5 décadas

  20. Fotógrafo se destacou nas coberturas do massacre de ianomâmis e da prisão de PC Farias

  21. Cláudio Abramo ajudou a renovar Folha nos anos turbulentos da ditadura

  22. Ilustrações de Mariza levaram o horror do cotidiano para as páginas do jornal

  23. Irreverente, Tarso de Castro criou o histórico Folhetim nos anos 1970

  24. Veemência das charges de Belmonte irritou até o regime nazista

  25. Boris assumiu Folha na fase mais tensa e conduziu travessia do jornal para o pós-ditadura

  26. Engenheiro ajudou Folha a se modernizar e atravessar transições tecnológicas

  27. Lenora de Barros promoveu renovação gráfica na Folha nos anos 1980

  28. Antônio Gaudério colecionou prêmios com fotos voltadas às questões sociais

  29. Bell Kranz levou temas considerados tabus para a Folhinha e o Folhateen

  30. Com poucos recursos, Olival Costa fundou Folha da Noite em 1921

  31. Sarcástico e culto, Bonalume cobriu ciência e conflitos pelo mundo por mais de 30 anos

  32. Coletti foi 'carrapato' de Jânio e teve prova de fogo na cobertura da visita de De Gaulle

  33. Apaixonado por cinema, seu Issa foi um precursor dos anúncios de filme no jornal

  34. João Bittar foi o editor que ajudou a levar fotógrafos da Folha para o mundo digital

  35. Pacato, Lourenço Diaféria publicou crônica que gerou crise com militares

  36. Moacyr Scliar fantasiava realidade em crônicas inspiradas em notícias da Folha

  37. Pioneiro na divulgação científica, José Reis incentivou presença de pesquisadores na mídia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.