Saltar para o conteúdo principal
 
04/12/2011 - 11h00

Conheça a revolução que criou a URSS

da Livraria da Folha

O termo Revolução Russa abrange duas revoluções de 1917: a Revolução de Fevereiro e a Revolução de Outubro. Na época, a Rússia utilizava o calendário juliano e, por isso, o movimento aparece no mês de novembro em nosso calendário. Estudiosos afirmam que o movimento significou para o século 20 o mesmo que a Revolução Francesa para o século 18.

Reprodução
Na imagem, o principal líder da Revolução Russa, Vladimir Ilyitch Ulianov
Vladimir Ilitch Ulianov foi o principal líder da Revolução de Outubro

Leia trecho de "O Enigma do Capital"
Livros retratam vida e obra de Trotsky
Siga a Livraria da Folha no Twitter
Conheça nossa página no Facebook
Visite a estante dedicada às ciências humanas

A insurreição se caracterizou pela tomada do poder pelos bolcheviques, russos liderados pelo teórico Vladimir Ilitch Ulianov (1870-1924), conhecido simplesmente como Lênin. O intelectual foi o primeiro dirigente da URSS. Morreu pouco tempo depois, no dia 21 de janeiro de 1924, deixando o país nas mãos de Josef Stalin (1879-1953).

O livro "As Revoluções Russas e o Socialismo Soviético" ajuda a compreender o processo revolucionário no início do século 20, que, sob inspiração marxista, transcendia as fronteiras da Europa e da América. O caminho socialista alarmou alguns e serviu de inspiração a outros.

"Era dos Extremos", obra-prima do historiador inglês Eric Hobsbawm, examina os acontecimentos, ações e decisões que moldaram o mundo. Sua tese é de que o século teve início com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, em 1914, e terminou com o fim da União Soviética, em 1991.

A coletânea "Depois da Queda" reúne artigos de estudiosos de diversas áreas e nacionalidades. Do cientista político italiano Norberto Bobbio ao historiador inglês Eric Hobsbawm, passando pelo filósofo alemão Jürgen Habermas e pelo estudioso de literatura norte-americana Frederic Jameson, os textos debatem a trajetória do comunismo, a nova ordem mundial e o futuro do socialismo.

 
Voltar ao topo da página