Saltar para o conteúdo principal
 
02/07/2013 - 15h34

Leia trecho de 'A Arte de Pensar Claramente'

da Livraria da Folha

Em "A Arte de Pensar Claramente", Rolf Dobelli investiga os mecanismos cognitivos que induzem ao erro, como a ilusão e o excesso de confiança na tomada de decisões. No livro, Dobelli debate a sucessão de falhas que provocou a crise financeira de 2008.

Formado em ciências empresariais pela Universidade de St. Gallen e Ph.D em filosofia da economia pela mesma instituição, Rolf Dobelli nasceu em Lucerna, na Suíça. O autor é fundador do Zürich Minds e ex-diretor do grupo Swissair.

Abaixo, leia um trecho

*

VIÉS DE SOBREVIVÊNCIA

Por que você deveria visitar cemitérios

Divulgação
Traduzido para 30 idiomas com mais de 500 mil exemplares vendidos na Alemanha
Reúne pesquisas de economia, psicologia e neurociência

Para onde quer que Reto olhe, vê estrelas do rock por toda parte. Elas aparecem na televisão, nos títulos das páginas de revistas, na programação de shows e nas páginas de fãs na internet. Suas músicas não passam despercebidas - nos centros comerciais, na própria playlist, na academia. As estrelas do rock estão presentes. São muitas. E fazem sucesso. Animado pelo sucesso de inúmeros heróis da guitarra, Reto cria uma banda. Será que vai conseguir levá-la adiante? A probabilidade é pouco maior que zero. Como tantos, ele deverá acabar no cemitério dos músicos fracassados. Essa sepultura conta com 10 mil vezes mais músicos do que os palcos de shows; contudo, nenhum jornalista se interessa por fracassados - a não ser pelas estrelas cadentes. Isso torna o cemitério invisível para quem está de fora.

O viés de sobrevivência significa: como no dia a dia o sucesso produz maior visibilidade do que o fracasso, você superestima sistematicamente a perspectiva de sucesso. Estando do lado de fora, você sucumbe (tal como Reto) a uma ilusão. Desconhece quão ínfima é a probabilidade de ser bem-sucedido. Por trás de todo escritor de sucesso escondem-se outros cem, cujos livros não são vendidos. E por trás de cada um desses cem, outros tantos que não encontraram editora. E, por sua vez, por trás destes, mais cem com um manuscrito iniciado na gaveta. No entanto, só ouvimos falar dos bem-sucedidos e desconhecemos quão improvável é o sucesso de um escritor. O mesmo vale para fotógrafos, empresários, artistas, esportistas, arquitetos, prêmios Nobel, apresentadores de programas de televisão e misses. A mídia não tem interesse em procurar nos cemitérios dos fra-cassados. Tampouco tem competência para isso. Em outros termos: esse trabalho intelectual tem de ser assumido por você, caso queira desativar o viés de sobrevivência.

No mais tardar, você será surpreendido pelo viés de sobrevivência quando lidar com o tema "dinheiro". Um amigo cria uma start-up. Você também faz parte do círculo de investidores potenciais e fareja a oportunidade daquilo que poderia vir a ser a próxima Microsoft. Talvez você tenha sorte. Qual a situação no momento? O cenário mais provável é que a em-presa não saia da linha de largada. A próxima probabilidade é a falência após três anos. Das empresas que sobrevivem aos três primeiros anos, a maioria encolhe e se transforma em pequena ou média com menos de dez funcionários. Moral da história: são ofuscadas pela presença midiática das empresas de sucesso. Isso significa que não se devem correr riscos? Não. Mas é bom corrê-los tendo consciência de que o diabinho chamado viés de sobrevivência deforma as probabilidades como um vidro polido.

Tomemos o índice Dow Jones. Ele consiste apenas em sobreviventes. De fato, em um índice de ações não são re-presentados os fracassados nem as empresas que não cresceram - ou seja, a maioria. Um índice de ações não é representativo para a economia de um país. Assim como a imprensa não relata de maneira representativa a totalidade dos músicos. A enorme quantidade de livros e treinadores de sucesso também deveria deixá-lo desconfiado: afinal, fracassados não escrevem livros nem dão palestras sobre seus fracassos.

O viés de sobrevivência torna-se bastante complicado quando você faz parte do grupo de "sobreviventes". Mesmo quando seu sucesso baseia-se em puro acaso, você descobrirá coisas em comum com outras pessoas bem-sucedidas e tenderá a explicá-las como "fatores de sucesso". Contudo, se visitasse o cemitério dos fracassados (pessoas, empresas etc.), iria constatar que, muitas vezes, os supostos "fatores de sucesso" também foram utilizados por eles.

Se um número razoável de cientistas pesquisar determinado fenômeno, alguns desses estudos terão resultados estatisticamente relevantes por puro acaso - por exemplo, sobre a relação entre o consumo de vinho tinto e o aumento da expectativa de vida. Desse modo, esses estudos (errôneos) obtêm de imediato um alto grau de notoriedade. Um viés de sobrevivência.

Mas agora, chega de filosofia. O viés de sobrevivência significa o seguinte: você superestima sistematicamente a probabilidade de sucesso. Como contramedida, visite o máximo que puder as sepulturas dos projetos, dos investimentos e das carreiras que um dia foram muito promissores. É um passeio triste, mas saudável.

*

"A Arte de Pensar Claramente"
Autor: Rolf Dobelli
Editora: Objetiva
Páginas: 216
Quanto: R$ 24,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página