Aberto 24h, bar Estadão é o melhor para fechar a noite com clássico sanduíche de pernil

MELHOR BAR FIM DE NOITE - DATAFOLHA

Logo na entrada, um atendente chamado Luiz vem até você, te dá a mão e dispara sem fingir a pretensa intimidade garçom/cliente: "E aí, chefe, o que manda hoje?"

Passa das 3h de uma madrugada fria no centro de São Paulo, e o Estadão está lotado –o bar, para deixar claro, na esquina do viaduto Nove de Julho com a Major Quedinho. Não por acaso, o prêmio de melhor opção de Fim de Noite é dele.

No balcão, em pé, os espaços são disputados. Tão disputados que apesar dos 14ºC tem gente comendo e bebendo do lado de fora. Quando o atendente volta a te perguntar o que você vai pedir, pode até bater aquela dúvida: e se eu comer alguma outra coisa que não o tradicional sanduíche de pernil que deu fama àquele bar (R$ 15, com molho de pimentão, tomate e cebola)?

Tudo bem. Muita gente, vale lembrar, faz isso. A calabresa também é uma boa pedida. Mas se você for no tradicional não vai errar de jeito nenhum.

A partir desse ponto, a dúvida passa a ser com qual tradicional você irá encarar: sanduíche de pernil com o molho já citado, com queijo prato (R$ 21), com cheddar (R$ 24), com provolone (R$ 23), ou com queijo palmira (R$ 29).

Dúvida. Quinze minutos ali dentro e elas vão sumindo. Passada a escolha do sanduíche, no entanto, ainda pode restar uma: por que os caras que trabalham ali, assim como o Luiz, durante toda a madrugada, parecem estar sempre tão de boa?

"Cadê o pernil viajando?", "Já saiu, meu filho!", "Ô da chapa, como é que é?". Sério. Os caras trabalham se divertindo.

"Todo mundo tem que colaborar. Não adianta trabalhar descontente", conta Cícero Tiezzi, 54, há 25 anos por ali.

Um dos gerentes e responsáveis por fazer a casa andar, ele explica que temperadas apenas com sal, 40 peças de pernil, em média, são assadas por dia no bar. Cada uma delas rende de 35 a 40 sanduíches.

Há quase 50 anos é assim: trabalho que não acaba. O bar funciona 24 horas e só fecha nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro.

"Se não falar alto, a gente não se escuta. E se não brincar um pouco, o cara não aguenta", define Lano, ou Antônio Egilando Mendonça Oliveira, 38 –e 21 só de Estadão.

*

ESTADÃO LANCHES
Viaduto Nove de Julho, 193, região central, tel. 3257-7121

Publicidade
Publicidade
Publicidade