Saltar para o conteúdo principal
 
30/09/2013 - 19h29

Leia trecho de 'A Vida em Análise'

da Livraria da Folha

Em "A Vida em Análise", psicanalista Stephen Grosz relata o que ouviu de 31 pacientes em 25 anos de clínica. São histórias de amor, mentiras, tristeza, luto e mudança. O autor apresenta a sua própria história e os detalhes da profissão, em meio a sentimentos e comportamentos desconcertantes.

Grosz nasceu em Indiana, nos Estados Unidos, em 1952. Ele estudou na Universidade da Califórnia, em Berkeley, no Balliol College e na Universidade de Oxford. Suas histórias foram publicadas no "Financial Times" e na revista "Granta".

Abaixo, leia um trecho.

*

Como podemos ser possuídos por uma história que não pode ser contada

QUERO CONTAR uma história sobre um paciente que me chocou.

Divulgação
Histórias que falam de amor, mentiras, tristeza, luto e mudança
Histórias que falam de amor, mentiras, tristeza, luto e mudança

Quando comecei a trabalhar como psicanalista, aluguei um pequeno consultório em Hampstead, numa rua larga e arborizada chamada Fitzjohns Avenue. Ficava perto de muitas clínicas psicanalíticas de renome e a alguns minutos de caminhada do Freud Museum. Na extremidade sul da Fitzjohns, há uma grande estátua de bronze de Freud.

Meu consultório era tranquilo e despojado. Havia uma escrivaninha grande apenas o suficiente para me permitir fazer anotações e organizar minhas contas mensais, mas nenhuma estante ou arquivo - a sala não era para leitura ou pesquisa. Como na maioria dos consultórios, o sofá não era um sofá, mas uma firme cama de solteiro com uma capa escura bem ajustada. Na cabeceira havia uma almofada de penas de ganso, coberta com um guardanapo de linho branco que eu substituía a cada paciente. A psicanalista que me alugava a sala havia pendurado uma peça de arte popular africana na parede muitos anos antes. Ela usava a sala de manhã, e eu, à tarde. Por essa razão ela era impessoal, até ascética.

Eu trabalhava em tempo parcial na Portman Clinic, um serviço ambulatorial forense. Em geral, os pacientes encaminhados para lá haviam violado a lei; alguns tinham cometido crimes violentos ou sexuais. Eu recebia pacientes de todas as idades e escrevi um bom número de laudos judiciais. Ao mesmo tempo, estava formando minha prática privada. Meu plano era reservar as manhãs para o trabalho na clínica; à tarde, esperava atender pacientes particulares com problemas menos extremos ou prementes.

Como vim a descobrir, meus primeiros pacientes particulares também exigiam bastante de mim. Olhando para trás, vejo muitas razões para que esses casos fossem difíceis. Em parte, havia minha própria inexperiência. Penso que é preciso tempo - eu precisei de tempo - para compreender quanto as pessoas são diferentes umas das outras. E provavelmente não ajudou que eu tivesse recebido vários pacientes encaminhados por psiquiatras e psicanalistas mais velhos que tentavam me dar um empurrão inicial. Médicos muitas vezes encaminham para analistas iniciantes pacientes que eles próprios não querem atender ou não podem encaminhar para nenhum outro lugar. E assim eu estava lutando com:

A srta. A., uma estudante de graduação de vinte anos. Embora descrita pelo psicanalista que a avaliara como "sofrendo de acessos de choro incontroláveis, depressão e sentimentos generalizados de inadequação", ela se apresentou como uma jovem alegre que insistia em não precisar de tratamento. Com o tempo, contudo, fiquei sabendo que era bulímica e se cortava de maneira regular, compulsiva. Como só comparecia às sessões esporadicamente, dois outros terapeutas tinham desistido de tratá-la.

O professor B., um cientista de quarenta anos, casado e com dois filhos. Ele havia sido acusado de plagiar o trabalho de um rival. O vice-reitor confiara a questão a um comitê disciplinar. Se fosse considerado culpado - e o professor B. me disse que provavelmente seria -, talvez fosse dada a ele a chance de demitir-se discretamente. Seu médico lhe prescrevera antidepressivos e me pedira que o submetesse à psicanálise. O professor B. oscilava descontroladamente entre estados de triunfo frenético - zombando dos colegas que compunham o comitê disciplinar, por exemplo - e completo desânimo.

A sra. C., que possuía e administrava um pequeno restaurante com o marido e tinha três filhos. Ela queria ajuda porque se sentia ansiosa e sofria ataques de pânico. Em nosso primeiro encontro, disse-me que "achava difícil se relacionar honestamente", mas só depois de vários meses de terapia me contou que estava tendo um caso com a babá dos filhos, uma mulher que trabalhara para a família nos últimos sete anos, desde pouco depois do nascimento de seu primeiro filho. Agora - contrariando um acordo que fizera com o marido - a sra. C. estava tentando secretamente engravidar porque não suportava a ideia de perder a babá.

Outro de meus primeiros pacientes foi um rapaz chamado Peter. Ele estava se tratando num grande hospital psiquiátrico próximo. Três meses antes de nos conhecermos, Peter escondeu-se no armário de uma igreja, onde tentou se matar tomando uma superdose de vários remédios e cortando os pulsos em seguida. Além disso, apunhalou-se no pescoço, peito e braços com uma pequena faca. Foi descoberto por uma faxineira. Embora assustada, a mulher o segurou enquanto esperavam a ambulância. "Quem fez isso?", ela lhe perguntou. "Diga-me, quem fez isso com você?"

Sua psiquiatra perguntou-me se eu poderia atender Peter cinco vezes por semana. Ela acreditava que terapia diária, combinada com um encontro semanal com ela, representava, para Peter, a melhor chance de recuperação, de voltar para sua noiva e para seu trabalho.

Peter tinha 27 anos e trabalhava como engenheiro estrutural. Antes de ser hospitalizado, ele e sua noiva haviam comprado um apartamento de um quarto nas proximidades de Londres. Vinha tendo dificuldades no emprego e estava ansioso por causa de dinheiro - mas nada disso parecia explicar seu violento ataque a si mesmo. Parte de meu trabalho, portanto, foi ajudar Peter a identificar as causas de sua tentativa de suicídio - se ele não conseguisse compreender as forças que o haviam levado a atacar a si mesmo, havia todas as razões para
pensar que isso voltaria a acontecer.

Peter era alto e magricela, mas tinha a postura que alguns deprimidos adotam, ombros curvados para a frente, cabeça baixa. Suas maneiras eram deprimidas também - ele falava com hesitação, olhando pouco nos olhos do interlocutor. Uma vez acomodado no sofá, praticamente não se mexia mais.

O rapaz comparecia a todas as sessões e quase nunca chegava atrasado. Depois de vários meses, saiu do hospital e foi capaz de retornar à sua vida. Cada vez mais, porém, em nossos encontros no consultório, eu o sentia desaparecer num lugar que eu não podia encontrar, muito menos compreender. "Você passou um longo tempo em silêncio - pode me dizer sobre o que estava pensando?", perguntei em uma das sessões.

"Umas férias em Devon - quando eu era criança", ele respondeu. Houve uma longa pausa. Ele não podia me contar mais? Peter respondeu que não estava pensando em nada em particular, apenas sobre estar só.

*

"A Vida em Análise"
Autor: Stephen Grosz
Editora: Zahar
Páginas: 208
Quanto: R$ 31,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página