Saltar para o conteúdo principal
 
19/05/2011 - 19h00

Comprometimento com empresa saiu de moda, diz consultor

da Livraria da Folha

Divulgação
studa o perfil e reúne orientações para se diferenciar no mercado de trabalho
Estuda o perfil e reúne orientações para se diferenciar no mercado

A dedicação às causas de uma companhia não faz mais sentido no mercado de trabalho. Segundo Sidnei Oliveira, consultor em gestão empresarial e desenvolvimento humano, com a hipercompetitividade as empresas trocaram "funcionários leais por profissionais qualificados".

Ouça entrevista com o autor
Siga a Livraria da Folha no Twitter
"Folha Explica" as profissões do futuro

Em "Geração Y: Ser Potencial ou Ser Talento? Faça Por Merecer", Sidnei, mesmo autor de "Geração Y: O Nascimento de uma Nova Versão de Líderes", examina o novo modelo de trabalho adotado pelas empresas e os desafios de jovens que ocupam cargos de chefia.

Abaixo, conheça três características comuns que mudaram nos últimos anos. O trecho foi extraído do novo livro.

Visite a estante dedicada ao desenvolvimento profissional

*

1 - Fidelidade corporativa. A medida de confiança depositada pela corporação estava diretamente ligada à disponibilidade do funcionário em se desvincular da qualquer realidade exterior, principalmente aquelas que envolvessem empresas concorrentes. A simples atitude de se colocar em posição de receber uma proposta para sair da empresa era considerada um ato de traição com a consequente ruptura de contrato.

Essa característica era relevante quando se tratava de preservar segredos e estratégias empresariais. No entanto, o contexto atual, marcado por fusões e incorporações globais, levou o conceito de fidelidade a um novo entendimento, passando obrigatoriamente pelo alinhamento dos valores pessoais como os valores corporativos.

2 - Comprometimento. A dedicação quase religiosa às causas da empresa gerava profissionais dispostos a omitir-se de dimensões importantes em suas vidas, como a família e a saúde, e muitas vezes anular os próprios objetivos profissionais, inclusive o de autodesenvolvimento.

A hipercompetitividade, inaugurada em 1990 com a reengenharia, promoveu rupturas unilaterais de contratos, trocando-se funcionários leais por profissionais mais qualificados. Cuidar do próprio desenvolvimento passou a significar empregabilidade e crescimento de padrão de vida. A nova equação agora é: quanto mais diversificado a experiência e o conhecimento, mais qualificado e comprometido é o profissional.

3 - O vencedor sempre tem mais chance de vitória. Quem realizasse um excelente trabalho em alguma circunstância teria uma garantia de estabilidade, pois confiava-se que os resultados passados garantiriam os resultados futuros.

Em um mercado completamente mobilizado por inovação e totalmente globalizado, nunca mais isso será possível. Em algum lugar no mundo sempre haverá um profissional criativo, qualificado e com uma abordagem diferenciada podendo trazer um resultado melhor que o anterior.

*

"Geração Y"
Autor: Sidnei Oliveira
Editora: Integrare
Páginas: 136
Quanto: R$ 33,00 (preço promocional de lançamento)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 
Voltar ao topo da página