Vírus leva desemprego nos EUA a montanha-russa, e estados como Rhode Island pagam a conta

Crise da Covid ampliou problemas antigos de regiões americanas dependentes do setor industrial

São Paulo

Cinquenta dias antes da eleição americana, a Folha começou a publicar a série de reportagens “50 estados, 50 problemas”, que se debruça sobre questões estruturais dos EUA e presentes na campanha eleitoral que decidirá se Donald Trump continua na Casa Branca ou se entrega a Presidência a Joe Biden.

Até 3 de novembro, dia da votação, os 50 estados do país serão o ponto de partida para analisar com que problemas o próximo —ou o mesmo— líder americano terá de lidar.

*

O desemprego nos EUA bateu dois recordes extremos neste ano. Em fevereiro, a taxa estava em 3,5%, menor cifra em 50 anos, depois de dez anos de queda gradual e constante, que teve seus momentos mais baixos com Donald Trump.

Mas a pandemia mudou tudo. Entre março e abril, a taxa subiu mais de dez pontos percentuais e chegou a 14,7%, valor mais alto desde a Grande Depressão dos anos 1930.

A recuperação tem sido rápida. Os dados de setembro apontam 7,9% de desemprego, equivalente ao número do início de 2013. Das 22 milhões de vagas perdidas desde fevereiro, cerca de metade já foi recuperada, mas 12 milhões de pessoas ainda seguem sem trabalho.

Apoiadores de Donald Trump em frente a cartaz que promete mais empregos nos EUA
Apoiadores de Donald Trump em frente a cartaz que promete mais empregos nos EUA - Brendan Smialowski - 17.ago.20/AFP

A incerteza sobre possíveis novos surtos de coronavírus, no entanto, dificulta o otimismo. E o mercado de trabalho nos EUA precisa lidar com algumas questões que vêm de antes da crise sanitária.

Em um movimento de décadas, os empregos industriais perderam força à medida que companhias buscaram se transferir a países em que os salários são mais baixos —um fluxo cada vez mais comum.

E o avanço da automação faz com que haja cada vez menos gente no chão de fábrica. A tecnologia se torna mais barata conforme evolui, e as baixas taxas de juros facilitam a compra de equipamentos.

Assim, regiões cuja economia dependia de fábricas tiveram grandes problemas quando as linhas de produção foram embora. Rhode Island conhece a situação faz tempo. No século 19, o menor estado do país enriqueceu ao se tornar um dos primeiros a abrigar teares mecânicos.

Sua indústria têxtil foi vigorosa por décadas, mas sucumbiu em meio à crise dos anos 1930. As fábricas migraram para zonas mais baratas, e desde então a região nunca mais teve a mesma relevância.

Nas décadas seguintes, o estado buscou criar empregos em outras áreas. Teve algum brilho na produção de joias, mas perdeu a concorrência para os baixos preços do exterior. Entre as principais instituições com sede por lá estão a fabricante de brinquedos Hasbro, a rede de farmácias CVS e a universidade Brown.

Atualmente, a economia de Rhode Island depende mais do setor de serviços, como lojas, alimentação e educação, cujas atividades foram freadas pela pandemia e enfrentam dificuldades na retomada. Agora, o estado registra o segundo maior percentual de desemprego do país: 12,8%, em agosto (o primeiro é Nevada, com 13,2%).

A retórica de trazer empregos industriais de volta marcou a campanha de Trump em 2016, mas os resultados não foram tão fortes quanto os discursos. Ele prometeu 25 milhões de empregos. Conseguiu gerar 6 milhões antes da pandemia, sendo 483 mil postos na indústria.

Contudo, entre fevereiro e agosto, o setor demitiu 1,4 milhão.

O republicano apostou em uma guerra comercial com a China, na desregulação e em estímulos a empresas que tragam suas fábricas de volta aos EUA. Também fez grande esforço para barrar imigrantes em busca de trabalho, o que deixaria mais vagas livres a americanos.

Contudo, as medidas bruscas contra outros países podem complicar a produção industrial, dependente de peças fabricadas em várias partes do mundo. E mais impostos sobre produtos importados podem desestimular seu consumo. Na campanha atual, Trump promete seguir com suas políticas e diz que criará 10 milhões de empregos em dez meses.

O democrata Joe Biden defende que a solução é primeiro resolver de vez a pandemia. E promete 10 milhões de empregos, em prazo não definido, por meio de investimentos em tecnologias que usam energias limpas, como carros elétricos. Também planeja ampliar o acesso a creches e cuidados para idosos, de modo que as pessoas que cuidam deles possam ter mais tempo livre para trabalhar.

Ao mesmo tempo, Biden também acena ao protecionismo ao defender que os EUA dependam menos de produtos estrangeiros e voltem a fabricar localmente as coisas de que precisam.

O efeito que o desemprego terá nas eleições é incerto. Um estudo de Amber Wichowsky, cientista política da Marquette University, aponta que taxas mais altas de desemprego costumam ampliar o comparecimento às urnas. O voto não é obrigatório no país.

Já o impacto no resultado varia. George Bush pai perdeu a reeleição em 1992, quando o desemprego era de 7,6%. E Barack Obama conseguiu um novo mandato em 2012, em meio a uma taxa de 7,8%.

Obama, Bill Clinton e George Bush filho chegaram à reta final dos mandatos com a desocupação em torno de 5%, mas não conseguiram eleger o sucessor.

O governo Trump terá também mais um recorde: será a primeira vez desde a Segunda Guerra que um presidente termina um mandato com menos empregos no país do que quando tomou posse.

50 ESTADOS, 50 PROBLEMAS

  1. Minnesota

    Morte de George Floyd em Minnesota escancarou outra vez racismo sistêmico americano

  2. Texas

    Divisa do Texas se tornou ícone da cruzada de Trump contra imigrantes

  3. Indiana

    Rusga com China põe estados rurais como Indiana na linha de tiro da guerra comercial

  4. Missouri

    Caso no Missouri ajudou a pavimentar decisão da Suprema Corte que protege comunidade LGBT

  5. Califórnia

    Califórnia, de moradores de rua e aluguéis caríssimos, espelha problema da habitação nos EUA

  6. Idaho

    Superlotação em prisões de Idaho expõe encarceramento em massa nos EUA

  7. Arizona

    Arizona põe à prova discurso de Trump de destruição dos subúrbios americanos

  8. Colorado

    Legalização federal é pedra no sapato de empresários da maconha no Colorado

  9. Arkansas

    Solidamente republicana, Arkansas facilita venda de armas

  10. Alasca

    Chance de explorar petróleo em reserva ambiental no Alasca opõe modelos de desenvolvimento

  11. Nova York

    Nova York procura saída para déficit bilionário agravado pela pandemia de coronavírus

  12. Flórida

    Flórida se tornou laboratório da postura errática de Trump diante da pandemia

  13. Carolina do Sul

    Briga na Carolina do Sul por estátua de Pantera Negra evidencia onda contra símbolos confederados

  14. Nevada

    Com dados alarmantes, Nevada retrata epidemia da violência doméstica nos EUA

  15. Alabama

    No top 5 de tiroteios em escolas, Alabama alimenta estatística que assombra EUA

  16. Dakota do Norte

    Na Dakota do Norte, indígenas enfrentam pobreza e oleoduto apoiado por Trump

  17. Maryland

    Disputa entre público e privado em Maryland é retrato da educação nos EUA

  18. Havaí

    Relação conturbada dos EUA com Coreia do Norte espalha medo no Havaí

  19. Wisconsin

    Sombra da judicialização paira sobre disputas acirradas em estados como Wisconsin

  20. Virgínia

    Passeata na Virgínia em 2017 deu visibilidade para extremistas da alt-right

  21. Kansas

    Kansas quer levar supressão do voto, trincheira dos direitos civis nos EUA, à Suprema Corte

  22. Carolina do Norte

    Com programa inovador, Carolina do Norte enfrenta problema crônico de acesso à saúde

  23. Oklahoma

    Biden visa aumento salarial a professores e mira demanda de grevistas em Oklahoma

  24. Wyoming

    Wyoming espelha diferenças salariais entre homens e mulheres nos EUA

  25. Iowa

    Confusão nas prévias em Iowa reaviva discussões sobre reforma no sistema eleitoral

  26. Nova Jersey

    Governador de Nova Jersey vive rebote de fake news que tomaram EUA desde 2016

  27. Louisiana

    Louisiana espelha tentativas de estados conservadores de cercear o aborto

  28. Ohio

    Às voltas agora com fentanil, Ohio vê nova alta de mortes por opioides

  29. Delaware

    Berço político de Biden, Delaware é paraíso da evasão de impostos nos EUA

  30. New Hampshire

    New Hampshire vira palco de disputa entre religiosos e defensores do Estado laico

  31. Nebraska

    Taxar bilionários, como o 'oráculo de Nebraska', vira tema de campanha

  32. Utah

    Com 1 caso de fraude em voto por correio desde 2013, Utah derruba tese de Trump

  33. Rhode Island

    Vírus leva desemprego a montanha-russa, e estados como Rhode Island pagam a conta

  34. Massachusetts

    Sonho de universidade de ponta em Massachusetts vira pesadelo de dívida estudantil

  35. Maine

    Baixo índice de crimes violentos deixa Maine fora do radar do discurso de 'lei e ordem'

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.