Governador de Nova Jersey vive rebote de fake news que tomaram EUA desde 2016

Em 2020, notícias falsas miram também a democrata Kamala Harris, candidata a vice

São Paulo

Cinquenta dias antes da eleição americana, a Folha começou a publicar a série de reportagens “50 estados, 50 problemas”, que se debruça sobre questões estruturais dos EUA e presentes na campanha eleitoral que decidirá se Donald Trump continua na Casa Branca ou se entrega a Presidência a Joe Biden.

Até 3 de novembro, dia da votação, os 50 estados do país serão o ponto de partida para analisar com que problemas o próximo —ou o mesmo— líder americano terá de lidar.

*

O governador de Nova Jersey não conseguiu esconder a irritação. “Às vezes há insanidade nas redes sociais. Esta é minha filha, que não fez uma festa de despedida de solteira e não vai se casar neste final de semana. Só para que vocês saibam, seus idiotas que acreditam nessa história”, disse o democrata Phil Murphy em entrevista coletiva no fim de julho.

Mais de 5.200 pessoas haviam compartilhado em redes sociais uma foto de uma jovem sem máscara em uma despedida de solteira, no meio de uma aglomeração, dizendo se tratar da filha de Murphy. Não era.

Vendedor oferece notas falsas com a imagem de Donald Trump durante a campanha de 2016 - Justin Merriman - 22.out.2016/Getty Images/AFP

A disseminação de fake news não é um fenômeno novo, mas se tornou ingrediente inevitável das campanhas eleitorais americanas a partir de 2016, ano em que o presidente Donald Trump venceu as eleições —com ajuda de trolls, robôs e contas falsas ligadas ao Kremlin.

As contas russas espalharam notícias falsas sobre a então candidata democrata, Hillary Clinton, dizendo que ela estaria envolvida em rituais satânicos, e se empenharam em disparar mensagens distorcidas para fazer eleitores negros desistirem de votar na adversária do republicano.

Dois mil e dezesseis também foi o ano em que Edgar M. Welch entrou numa filial da pizzaria Comet Ping Pong em Washington com um fuzil AR-15 e um revólver calibre 38.

Welch chegou atirando para, segundo ele, libertar as “crianças presas em gaiolas no porão” do estabelecimento, vítimas da “rede de pedófilos do Partido Democrata”.

A notícia falsa sobre a tal rede de pedófilos começou a viralizar em blogs de direita, nas redes usadas pelos integrantes do alt-right como o 4chan, após o WikiLeaks vazar emails enviados pelo chefe da campanha de Hillary, John Podesta, que conhecia o dono da pizzaria.

De lá, a teoria conspiratória ganhou tração no Facebook e no Twitter e chegou até Welch, que disse ao New York Times acreditar que Hillary Clinton matava crianças com suas próprias mãos.

Conhecido como Pizzagate, o episódio foi absorvido pelo QAnon, a teoria conspiratória segundo a qual Trump tenta derrotar um “Estado profundo” infiltrado entre os funcionários de carreira em Washington e uma elite de pedófilos ligada ao Partido Democrata.

O Pizzagate ressuscitou em contas do QAnon no TikTok neste ano.

Facebook, Twitter e TikTok baniram todas as contas relacionadas ao QAnon, mas as notícias falsas propagadas pelos conspiracionistas já haviam feito estrago.

Segundo pesquisa do Pew Research Center, 41% dos eleitores republicanos que já haviam ouvido falar no QAnon achavam que o movimento é positivo para os Estados Unidos.

O próprio presidente Trump, ao ser questionado sobre o QAnon, recusou-se a desmentir a teoria mentirosa e disse apenas: “Ouvi falar que essas são pessoas que amam nosso país”.

Trump, aliás, é um dos maiores divulgadores de notícias falsas. Em julho, retuitou mais de uma vez o vídeo em que uma médica fazia afirmações mentirosas sobre a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. O vídeo teve milhões de compartilhamentos antes de ser banido de várias plataformas.

Minorias étnicas, raciais e mulheres são sempre as principais afetadas por campanhas de difamação e fake news. A candidata democrata a vice Kamala Harris, descendente de mãe indiana e pai jamaicano negro, claro, transformou-se em um dos maiores alvos.

Circulam pelas redes sociais milhares de mensagens afirmando que Kamala não poderia se candidatar à Vice-Presidência dos EUA por ser filha de imigrantes e dizendo que ela havia mantido relações sexuais com chefes para subir na vida.

Um dos disseminadores dessas mentiras é o presidente, que afirmou em agosto ter ouvido de um advogado “muito qualificado” que Kamala não podia ser candidata a vice, mas que não sabia se era verdade. Não causa surpresa: Trump também foi um dos maiores promotores da “conspiração birther” —segundo a qual o ex-presidente Barack Obama teria nascido no Quênia e, assim, não podia ser presidente.

Em tempo: Obama nasceu mesmo no Havaí, e Kamala, que nasceu na Califórnia, pode se candidatar.

50 ESTADOS, 50 PROBLEMAS

  1. Minnesota

    Morte de George Floyd em Minnesota escancarou outra vez racismo sistêmico americano

  2. Texas

    Divisa do Texas se tornou ícone da cruzada de Trump contra imigrantes

  3. Indiana

    Rusga com China põe estados rurais como Indiana na linha de tiro da guerra comercial

  4. Missouri

    Caso no Missouri ajudou a pavimentar decisão da Suprema Corte que protege comunidade LGBT

  5. Califórnia

    Califórnia, de moradores de rua e aluguéis caríssimos, espelha problema da habitação nos EUA

  6. Idaho

    Superlotação em prisões de Idaho expõe encarceramento em massa nos EUA

  7. Arizona

    Arizona põe à prova discurso de Trump de destruição dos subúrbios americanos

  8. Colorado

    Legalização federal é pedra no sapato de empresários da maconha no Colorado

  9. Arkansas

    Solidamente republicana, Arkansas facilita venda de armas

  10. Alasca

    Chance de explorar petróleo em reserva ambiental no Alasca opõe modelos de desenvolvimento

  11. Nova York

    Nova York procura saída para déficit bilionário agravado pela pandemia de coronavírus

  12. Flórida

    Flórida se tornou laboratório da postura errática de Trump diante da pandemia

  13. Carolina do Sul

    Briga na Carolina do Sul por estátua de Pantera Negra evidencia onda contra símbolos confederados

  14. Nevada

    Com dados alarmantes, Nevada retrata epidemia da violência doméstica nos EUA

  15. Alabama

    No top 5 de tiroteios em escolas, Alabama alimenta estatística que assombra EUA

  16. Dakota do Norte

    Na Dakota do Norte, indígenas enfrentam pobreza e oleoduto apoiado por Trump

  17. Maryland

    Disputa entre público e privado em Maryland é retrato da educação nos EUA

  18. Havaí

    Relação conturbada dos EUA com Coreia do Norte espalha medo no Havaí

  19. Wisconsin

    Sombra da judicialização paira sobre disputas acirradas em estados como Wisconsin

  20. Virgínia

    Passeata na Virgínia em 2017 deu visibilidade para extremistas da alt-right

  21. Kansas

    Kansas quer levar supressão do voto, trincheira dos direitos civis nos EUA, à Suprema Corte

  22. Carolina do Norte

    Com programa inovador, Carolina do Norte enfrenta problema crônico de acesso à saúde

  23. Oklahoma

    Biden visa aumento salarial a professores e mira demanda de grevistas em Oklahoma

  24. Wyoming

    Wyoming espelha diferenças salariais entre homens e mulheres nos EUA

  25. Iowa

    Confusão nas prévias em Iowa reaviva discussões sobre reforma no sistema eleitoral

  26. Nova Jersey

    Governador de Nova Jersey vive rebote de fake news que tomaram EUA desde 2016

  27. Louisiana

    Louisiana espelha tentativas de estados conservadores de cercear o aborto

  28. Ohio

    Às voltas agora com fentanil, Ohio vê nova alta de mortes por opioides

  29. Delaware

    Berço político de Biden, Delaware é paraíso da evasão de impostos nos EUA

  30. New Hampshire

    New Hampshire vira palco de disputa entre religiosos e defensores do Estado laico

  31. Nebraska

    Taxar bilionários, como o 'oráculo de Nebraska', vira tema de campanha

  32. Utah

    Com 1 caso de fraude em voto por correio desde 2013, Utah derruba tese de Trump

  33. Rhode Island

    Vírus leva desemprego a montanha-russa, e estados como Rhode Island pagam a conta

  34. Massachusetts

    Sonho de universidade de ponta em Massachusetts vira pesadelo de dívida estudantil

  35. Maine

    Baixo índice de crimes violentos deixa Maine fora do radar do discurso de 'lei e ordem'

  36. Novo México

    Novo México enfrenta com terapia aumento do suicídio de crianças e adolescentes

  37. Geórgia

    Prefeita negra na capital da Geórgia é exceção que confirma falta de diversidade na política dos EUA

  38. Illinois

    Berço político de presidentes, Illinois simboliza a corrupção nos EUA

  39. Connecticut

    Com dívida bilionária e alta desigualdade, Connecticut ilustra contradições americanas

  40. Mississippi

    Com 40% de obesos, Mississippi lidera epidemia que deixou de ser combatida sob Trump

  41. Kentucky

    Dependência de carvão no Kentucky reflete percepção distorcida sobre aquecimento global

  42. Virgínia Ocidental

    Crise de empregos faz América grande novamente só uma ilusão na Virgínia Ocidental

  43. Pensilvânia

    Divisões na Pensilvânia viram alegoria perfeita da polarização nos EUA

  44. Vermont

    População idosa de Vermont espelha bomba relógio da previdência americana

  45. Dakota do Sul

    Caso na Dakota do Sul chama a atenção para debate sobre pena de morte nos EUA

  46. Washington

    Washington desafia barreiras de Trump para acolhimento a refugiados

  47. Michigan

    Michigan simboliza falha de Trump em promessa de recuperar empregos industriais

  48. Tennessee

    Conservador, Tennessee retrata a força dos grupos de ódio nos EUA

  49. Montana

    'Deserto de creches', Montana é caso extremo de crise silenciosa nos EUA

  50. Oregon

    Envio de tropas federais ao Oregon catalisou crises de 2020 em torno de Trump

Erramos: o texto foi alterado

O governador de Nova Jersey, Phil Murphy, não concorre à reeleição nas eleições de 3 de novembro de 2020. Ele é, na verdade, candidato à reeleição em 2021. O texto foi corrigido.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.