Saltar para o conteúdo principal
 
20/04/2012 - 14h30

Saiba o que é um pulmão de aço

da Livraria da Folha

Criada pelo professor Philip Drinker na década de 1920, a máquina chamada de pulmão de aço exerce pressão para expandir a caixa torácica, forçando a entrada do ar. Útil no tratamento de insuficiência respiratória grave, foi usada para minimizar os danos da poliomielite, também chamada de paralisia infantil, anos mais tarde.

Bettmann/CORBIS/Corbis(DC/LatinStock)
Hospital Rancho Los Amigos Respiratory Center, o maior centro de tratamento respiratório para casos de pólio do mundo na década de 1950, próximo a Los Angeles: pulmões de aço resultaram na criação das UTIs
Centro de tratamento respiratório para casos de pólio do mundo na década de 1950

Assista ao depoimento de autora internada há 36 anos
Siga a Livraria da Folha no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

O aparelho parece ter saído de um filme de ficção científica. O paciente fica com todo o corpo dentro de uma câmara, apenas a cabeça fica do lado de fora. Nos anos de 1950, para combater a solidão do tratamento, alguns hospitais passaram a instalar espelhos que aumentavam o campo de visão.

O título do livro "Pulmão de Aço" faz referência à máquina. Vítima da pólio, a autora Eliana Zagui vive há 36 anos em uma cama de hospital. No caso de Eliana, o tratamento não rendeu o resultado esperado, obrigando-a a usar o respirador artificial.

Conhecida há milênios, a pólio é uma doença infectocontagiosa aguda causada por vírus. Graças às campanhas de vacinação, a enfermidade foi considerada erradicada no Brasil, com último registro em 1989. A paralisia infantil já não causa tento medo nos pais como acontecia no século 20.

A agilidade no diagnóstico e no tratamento evitam maiores danos. O vírus causador da doença danifica os neurônios motores. Diferente das lesões medulares, as percepções, como o tato, não são afetadas. A paralisia é apenas muscular.

Abaixo, leia o depoimento de Eliana Zagui sobre a sua experiência no pulmão de aço. O trecho faz parte de seu livro de memórias.

*

Divulgação
Eliana Zagui vive internada na UTI desde que foi vítima de poliomielite
Eliana Zagui vive internada na UTI desde que foi vítima de poliomielite

Claro que não me recordo de quase nada de meus primeiros dias aqui no hospital. Mas tenho vagas lembranças de crianças dentro dessas geringonças. Lembro me também de espelhos colocados sobre nossas cabeças, presos aos pulmões de aço ou mesmo às cabeceiras de nossas camas. Não sei de quem foi a ideia, mas a achei genial. Por meio dos espelhos pude ver que não estava só. Ao meu lado, dezenas de outras crianças encontravam se na mesma situação.

Minha estreia no pulmão de aço durou cinco dias. A máquina era considerada muito eficiente. Ela revertia o quadro de insuficiência respiratória em quase 90% dos casos, diziam os médicos. Mas não foi capaz de solucionar o meu.

Mais de 60% de meus pulmões estavam definitivamente comprometidos. A pólio havia também paralisado completamente o diafragma e afetado a deglutição. Caso raro e grave. Nessas condições, a única alternativa era conectar o paciente a um respirador artificial. Ainda dentro da máquina, fui ligada por uma sonda nasal a um pequeno respirador mecânico conhecido como AGA.

Na verdade, AGA era a fabricante do aparelho. O equipamento é, de certa forma, rudimentar. Parece um quadradinho de ferro com um mecanismo dentro semelhante a uma panela de pressão. Não é mais utilizado.

Essa combinação - respirador e pulmão de aço - costumava funcionar, pelo menos de forma emergencial, em 99% dos casos de insuficiência respiratória grave. Não funcionou comigo. Restou me a alternativa de ser ligada, pela traqueostomia, a uma máquina de ar comprimido. Uso respirador artificial até hoje.

Naquela época, das mais de cem crianças que chegavam aqui por mês com paralisia, apenas 1% precisou ser submetida ao procedimento. Ou seja, uma média de uma criança por mês. Era sempre uma coisa que os médicos tentavam evitar ao máximo. Dessas dezenas de meninos e meninas que foram traqueostomizados, quase ninguém sobreviveu.

*

"Pulmão de Aço"
Autor: Eliana Zagui
Editora: Belaletra
Páginas: 240
Quanto: R$ 31,00 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página