Saltar para o conteúdo principal
 
09/08/2012 - 16h30

Marcado para morrer, homem conta os segredos da máfia de Chicago

da Livraria da Folha

Frank Calabrese Jr., nascido em uma tradicional família de criminoso de Chicago, relata em "Operação Segredos de Família" a cerimônia de iniciação e o dia a dia dos membros da chamada da facção criminosa chamada de Organização, rotina que inclui jogo, extorsão, chantagem, tortura e homicídios.

Divulgação
"Operação Segredos de Família" narra operação do FBI contra a máfia de chicago
Livro relata a operação do FBI contra a máfia de Chicago

PCC agora mata no 'varejo'; ouça repórter policial
Siga a Livraria da Folha no Twitter
Conheça nossa página no Facebook
Leia trecho de "Folha Explica: Violência Urbana"

A família de Calabrese fez parte do mesmo grupo de "Al Capone" (1899-1947). Hoje, os chefes da Organização cumprem prisão nos EUA graças à uma ação bem-sucedida de investigadores do FBI.

Quando o poder público norte-americano resolveu desmontar um dos mais importantes grupos do crime organizado --a máfia de Chicago-- o autor de "Operação Segredos de Família" foi fundamental para o sucesso dos policiais.

Por meses, Frank Jr. usou equipamento de escuta com o qual gravou o próprio pai confessando crimes violentos. Não é necessário dizer que a cabeça desse homem está a prêmio.

Escrito com o apoio de Keith e Kent Zimmerman e de Paul Pompian, o livro acaba de ser publicado no Brasil pela editora Zahar. Abaixo, leia um trecho do exemplar.

*

1. Segredos de Família

Eu me instalei num canto da biblioteca da prisão, no Instituto de Correção Federal em Milan, Michigan, e detonei a carta para o agente especial do FBI Thomas Bourgeois numa velha e decrépita máquina de escrever Smith-Corona. Meu pai mafioso, Frank Calabrese - que cumpria pena comigo na mesma prisão -, tinha me ensinado a ser resoluto. Então, quando datilografei a carta, a decisão já estava tomada.

Não toquei o papel diretamente. Usei minhas luvas de inverno para manusear a folha e segurei o envelope com um lenço de papel para não deixar impressões digitais. No momento em que postei a carta, em 27 de julho de 998, eu sabia que tinha cruzado a linha. Cooperar com o FBI significava não só que eu estava abandonando meu pai, mas que teria de implicar meu tio Nick no assassinato de um mafioso da Organização de Chicago chamado John "Big Stoop" [Parrudão] Fecarotta. Abandonar meu tio era a parte mais difícil.

Quando reli a carta uma última vez, perguntei a mim mesmo: "Que tipo de filho se livra do pai pelo resto da vida?" O Departamento Penitenciário Nacional havia me imposto um duro golpe ao me colocar na mesma prisão que meu pai. Vinha ficando cada vez mais claro que seu juramento de cair fora da Organização depois de nós dois cumprirmos nossas penas era uma promessa vazia.

"Eu sinto que preciso ajudá-los a manter esse homem doente trancado para sempre", escrevi na carta.

Devido a questões legais e de segurança, isso foi cinco meses antes de o agente Thomas Bourgeois ter arranjado uma visita para se encontrar comigo no Instituto de Correção Federal em Milan. Ele veio sozinho no começo do inverno de 998. Em 997, o FBI e os promotores federais de Chicago haviam sentenciado os Calabrese, condenando meu pai, tio Nick, meu irmão mais novo, Kurt, e eu por agiotagem. Bourgeois parecia confuso e quis saber o que eu queria.

Tenho certeza de que Bourgeois se perguntou o mesmo que eu: que tipo de filho quer se livrar do pai pelo resto da vida? Talvez tenha pensado que eu estava mentindo. Talvez eu tivesse arrumado confusão com alguém e, como a maioria dos presos, estivesse tentando reduzir a minha pena. Todavia, no encontro seguinte, eu disse a Tom que não pedia muito em troca. Simplesmente não queria perder nada do tempo já cumprido e, uma vez terminada a minha missão, queria uma transferência do Instituto de Correção de Milan.

Tendo nos prendido sob acusações de extorsão, os federais pensavam ter destruído a notória gangue Calabrese da zona sul de Chicago. Na verdade, mal tinham arranhado a superfície. Alertei Bourgeois de que eu não estava tentando destruir a máfia. Tinha um único propósito: ajudar o FBI a manter meu pai trancafiado para sempre, para que ele pudesse receber a ajuda psicológica de que necessitava. O FBI não sabia de metade de seus outros assuntos ou crimes.

Quando Bourgeois perguntou se eu me disporia a usar um gravador no pátio da prisão, imediatamente respondi que não. Trabalharia com o FBI, mas lhes daria somente informação útil, material que pudessem usar, contanto que ninguém soubesse que eu estava cooperando, e não testemunharia abertamente no tribunal. Meu pai e os caras da Organização chamam isso de "salgar a carne". Frank Calabrese era um dos mais astutos criminosos da quadrilha, e fora um chefe de turma bem-sucedido e sólido arrecadador para a máfia de Chicago por trinta anos. Era capaz de sentir o cheiro de um informante do FBI a um quilômetro e meio de distância. Se não tinha falado de sua vida criminosa no passado, por que haveria de falar agora?

Vasculhei meu coração para me assegurar de que não estava fazendo aquilo por despeito ou porque meu pai havia se recusado a cuidar financeiramente de mim e de Kurt em troca de cumprir pena. Meu problema não era dinheiro!

Após a primeira entrevista comigo em Milan, o agente Bourgeois se reportou a Mitch Mars, um subprocurador e chefe da Seção do Crime Organizado de Chicago. Mars quis saber se havia o bastante para apresentar o caso a um grande júri e formar um caso maior, mais abrangente, contra a Organização, o multitentacular sindicato do crime organizado de Chicago, que remontava aos tempos de "Big Jim" Colosimo e Al Capone.

Na cela, deitado no beliche, pensei na minha recusa em usar o gravador. Digamos que eu passasse informações aos federais, mas meu pai tivesse sorte e conseguisse se safar? Eu estaria ferrado, tio Nick ficaria encalhado no corredor da morte e, quando a sentença do meu pai terminasse, ele estaria de volta às ruas para continuar seus negócios de agiotagem e métodos assassinos.

E se fosse errado o que eu estava fazendo? Como poderia conviver comigo mesmo? Eu amava muito meu pai, e o amo até hoje. Mas sentia repulsa por seu gênio violento e controlador. Precisava decidir entre não fazer nada e cooperar com os federais, duas opções que eu detestava. Sabia que, se não fizesse nada, meu pai e eu teríamos de ajustar nossas diferenças lá fora, na rua. Um dos dois acabaria morto, enquanto o outro iria apodrecer na cadeia. Eu estaria me incriminando, e não queria um trato de imunidade. Se precisasse cumprir mais tempo para manter meu pai preso para sempre, paciência. Depois de mandar a carta, fiquei determinado a acabar o que havia começado. Contatei o agente Bourgeois mais uma vez, para lhe dizer que tinha mudado de ideia. Eu usaria o gravador, afinal. Todas as trapaças que meu pai tinha me ensinado eu iria agora usar contra ele.

As próprias palavras do meu pai se tornariam seu maior inimigo.

*

"Operação Segredos de Família"
Autor: Frank Calabrese Jr.
Editora: Zahar
Páginas: 324
Quanto: R$ 39,00 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

Texto baseado em informações fornecidas pela editora/distribuidora da obra.

 
Voltar ao topo da página