Saltar para o conteúdo principal
 
14/09/2011 - 15h00

Sexo frágil, mulheres ditaram os rumos da civilização

da Livraria da Folha

Divulgação
Com o homem era o caos, então veio a mulher e pôs ordem em tudo
Com o homem era o caos, então veio a mulher e pôs ordem em tudo

O livro "Jogo de Damas", do jornalista David Coimbra, é um passeio histórico por importantes personagens da humanidade. Mas a grande sacada da obra é mostrar que por trás de todo grande homem, uma célebre e astuta mulher exercia sua influência e poder, contrariando a opinião popular do sexo frágil e do mundo machista.

Então, na verdade Coimbra destaca apenas a vida dessas grandes mulheres, deixando os machos no papel de coadjuvantes. Com muito bom-humor, o texto descreve perfis de mulheres como Cleópatra, Messalina e Lou Salomé, e relata suas inteligentes percepções de mundo e como contribuíram na evolução da raça humana. Ao mesmo tempo em que celebra esse dom feminino, destaca a limitação e preguiça do homem.

Siga a Livraria da Folha no Twitter
Comente a nota com seus seguidores

Da Grécia Antiga até o século 20, Coimbra simplesmente usa os fatos registrados para mostrar como a percepção para pensar e estruturar o conceito de civilização lhes era muito natural, assim como o instinto doméstico, a ideia de fixar raízes para evoluir.

"O primeiro animal domesticado pela mulher não se sabe qual foi. Talvez a cabra, o cachorro ou a galinha. O último, isso é certo, foi o homem", escreve Coimbra.

"Jogo de Damas" é um divertido ensaio sobre outro ponto de vista dos fatos, sobre a força e a capacidade da mulher de observar e de agir racionalmente.

*

"Jogo de Damas"
Autor: David Coimbra
Editora: L&PM
Páginas: 170
Quanto: R$ 28,00
Onde comprar: Pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

 
Voltar ao topo da página