Beirando seu centenário, azeite português Gallo é eleito o melhor em São Paulo

A Gallo foi mencionada como melhor marca de azeite por 46% dos paulistanos da classe A e B que cozinham, segundo pesquisa do Datafolha

Despejar um espesso fio de azeite sobre qualquer prato carrega em si uma sensação de riqueza. Pelo menos no mundo privado de prazeres mundanos.

Mas, vale ressaltar, nunca foi exagero escrever azeite e riqueza na mesma frase. Já na Idade Média, lá em Portugal, onde o povo manja fazer azeite dos bons há um tempão, um púcaro desse óleo equivalia ao preço de um quilo de carne de carneiro. O produto custava dois soldos. O dia de trabalho de um homem a amassar cal valia três.

A coisa toda é trabalhosa. A oliveira só dá fruto uma vez ao ano. E tem que prensar ao menos cinco quilos de azeitona para render um litro do líquido.

O regalo anda mais democrático, e o brasileiro consome um bocado. O país importa mais de 50 mil toneladas ao ano, o que nos coloca entre os maiores importadores.

Aqui, quase metade dos paulistanos das classes A e B que costumam cozinhar ouvidos pelo Datafolha prefere Gallo, azeite português cuja origem remonta ao século 19. A marca, que nasceu em Abrantes, região cortada pelo rio Tejo, hoje tem oito variedades.

Degustar azeite exige umas manhas. Há a acidez: quanto mais baixa, melhor, dizem experts. Mas aromas, sabores e sensações de amargor e picância estão ali para serem descobertos.

Para quem arrisca uma degustação, recomenda-se um naco de maçã verde entre cada amostra. E ainda fica chique.

A despeito de possíveis afetações, utilizar azeite pode salvar quase tudo. Seja para afogar um bacalhau ou finalizar, com estilo, a saladinha daquele pê-efe ali da esquina. Salva até o prato todo.

É como colocar queijo no desjejum insosso. Quase como fritar. Bom é que pode ser frito, tacar queijo e desaguar aquele riacho de azeite. É sempre pura ostentação.

Publicidade
Publicidade

Últimas

  1. 24/06/2017
    1. Frank Bar, de carta de drinques esmerada, é eleito o melhor bar da cidade de SP

      Se você, bebedor, virasse nome de bar, como iria querer o serviço ali? E se você fosse Frank Sinatra, que fez sua paixão pelo copo ficar tão famosa quanto sua voz e seus olhos azuis? (Ele foi enterrado com uma garrafa de Jack Daniel's, diz a lenda.) Talvez não seja ousadia demais supor que, se voltasse para uma última dose no Frank Bar —que, aliás, ostenta sua assinatura em um luminoso ao fundo—, o cantor se sentiria em casa.

    2. Hambúrguer do Z Deli, de carne suculenta e avermelhada, é eleito o melhor de São Paulo

      Só um número ímpar de bancos no balcão e a solidão driblam as filas eternas no Z Deli de Pinheiros aos finais de semana. A espera, aliás, é um dos dois poréns das duas unidades da casa. Enfim, a melhor hamburgueria de São Paulo não decepciona.

    3. Treze opções para encomendar comidinhas artesanais; veja seleção

      Preparados artesanalmente, pães de fermentação natural, massas caseiras, geleias e até mesmo produtos fermentados, como kombuchas e conservas, estão entre os alimentos que podem ser encomendados na cidade. Saiba como pedir esses quitutes.

    4. Confira receita do pão de tomate, criação da chef Heloisa Bacellar

      Para fazer o pão de tomate, parmesão e azeitonas da chef Heloisa Bacellar, do restaurante Lá da Venda, bastam 40 minutos e poucos ingredientes. Confira receita abaixo.

    5. Kibon é a marca de sorvete favorita dos paulistanos que cozinham, aponta pesquisa Datafolha

      Muita gente deve se lembrar dos carrinhos amarelos e azuis de picolés que circulavam por aí antigamente.

    6. 'Gourmetizando' produtos, Matte Leão é o chá preferido dos paulistanos que cozinham

      Foi no calor das praias cariocas que o Matte Leão conquistou seu lugar ao sol. Em meados dos anos 1950, a empresa paranaense que originalmente industrializava erva-mate para a fabricação do tradicional chimarrão viu que o tipão da vez para os jovens da década era o chá mate gelado —ou "geladão", como dizem os ambulantes do Leme ao Pontal.

    7. Aprenda a fazer o bolo de figo e nozes da chef Heloísa Bacellar

      Veja a seguir a receita de bolo de figo e nozes de Heloísa Bacellar, chef do Lá da Venda. O tempo de preparo é de duas horas, sendo outras quatro para o repouso dos figos. Rende seis porções.

    8. Jean Ponce, do Guarita Bar, ensina a preparar o drinque Raizz

      O bartender Jean Ponce, do Guarita Bar, ensina a preparar o drinque autoral Raizz. Veja o passo a passo:

    9. Confira a receita de afogado de carne, prato com sabor e 'sustança' para o dia todo

      Aprenda a fazer com a chef Heloisa Bacellar, do Lá da Venda, um afogado de carne no capricho. Serve seis porções, leva três horas para fazer, além de mais 12 horas na geladeira.

    10. Com receitas que 'vão com tudo', Pullman é a marca de pão queridinha em São Paulo

      A manteiga derrete na fatia grossa, fofinha, com aquela casca gostosa, ainda com os resquícios da farinha. Parece que acabou de sair do forno. Mas veio do pacote mesmo.

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
Publicidade