Saltar para o conteúdo principal
 
18/08/2011 - 16h00

"História do Mundo em 6 Copos" traça divertida análise cultural

da Livraria da Folha

Reprodução
Café, vinho, cerveja, chá, destilados e Coca-Cola mudaram o mundo
Café, vinho, cerveja, chá, destilados e Coca-Cola mudaram o mundo

É sempre muito legal quando alguém aparece com uma ideia inteligente e simples e consegue nos pegar de surpresa e encantar com tamanha originalidade.

Pois Tom Standage consegue essa proeza com o livro "História do Mundo em 6 Copos" (Zahar). A obra consiste em analisar os avanços da humanidade a partir da meia dúzia de bebidas que encheram muitos e muitos copos.

O autor mostra como a cerveja, o vinho, os destilados, o café, o chá e a Coca-Cola (claro) influenciaram as culturas do mundo inteiro, e mudaram e refizeram tradições com seus sabores e aromas.

Siga a Livraria da Folha no Twitter
Siga a Livraria da Folha no Twitter

"Em alguns casos, a bebida veio mesmo a influenciar o curso da história de formas inesperadas. Assim como os arqueólogos estabelecem períodos históricos com base no uso de materiais diferentes - Idade da Pedra, Idade do Bronze, Idade do Ferro e assim por diante -, também é possível dividir a história do mundo em períodos dominados por certas bebidas. Especificamente, seis bebidas - cerveja, vinho, destilados, café, chá e cola - definem o fluxo da história mundial. Três delas contêm álcool e três contêm cafeína, mas o que todas têm em comum é o fato de que cada uma delas foi a bebida definitiva durante determinado período histórico, desde a Antigüidade até os dias de hoje", escreve Standage.

Depois dessa incrível viagem, o autor finaliza o livro com um epílogo a respeito da água, matéria prima para a vida de qualquer ser vivo e que cada vez mais também desempenha uma função social na política do mundo.

Leia trecho.

*

A sede é mais mortal do que a fome. Sem comida, você poderia sobreviver por algumas semanas, mas sem bebida teria sorte se durasse alguns dias. Somente o ato de respirar é mais importante. Há dezenas de milhares de anos, os primeiros homens, que circulavam em pequenos bandos, tinham de ficar perto de rios, correntes e lagos a fim de garantir um suprimento adequado de água fresca, já que não havia um modo prático de armazenar ou carregar a água.

A sua disponibilidade restringiu e determinou o progresso da humanidade. Desde então, as bebidas continuaram a moldar nossa história. Somente nos últimos dez mil anos outras bebidas surgiram para desafiar a primazia da água. Nenhuma delas está disponível na natureza em qualquer quantidade, e todas têm de ser produzidas deliberadamente.

Além de oferecer alternativas mais seguras para suprimentos de água contaminada por doenças em agrupamentos humanos, elas assumiram funções variadas. Muitas têm sido usadas como moeda, em rituais religiosos, como símbolos políticos ou como fonte de inspiração filosófica e artística. Algumas têm servido para ressaltar o poder e o posicionamento da elite ou para subjugar e apaziguar os oprimidos.

As bebidas têm sido usadas para celebrar nascimentos, homenagear mortos e estabelecer e fortalecer relacionamentos sociais; para fechar transações comerciais e tratados; para aguçar os sentidos ou entorpecer a mente; para conter remédios salvadores ou venenos mortais.

*

"História do Mundo em 6 Copos"
Autor: Tom Standage
Editora: Zahar
Páginas: 240
Quanto: R$ 40,80 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques. Não cumulativo com outras promoções da Livraria da Folha. Em caso de alteração, prevalece o valor apresentado na página do produto.

*

Para quem gostou de...

Divulgação
Guia ensina a apreciar vinhos e harmonizá-los com pratos variados
Guia ensina a apreciar vinhos e harmonizá-los com pratos variados
Divulgação
Curiosidades e mitos sobre a influente bebida brasileira
Curiosidades e mitos sobre a influente bebida brasileira
Divulgação
Organizado por PhD em filosofia, livro analisa os rituais da cerveja
Organizado por PhD em filosofia, livro analisa os rituais da cerveja
 
Voltar ao topo da página