Saltar para o conteúdo principal
 
05/08/2014 - 10h47

Leia trecho de 'Empreendedorismo Criativo'

da Livraria da Folha

Em "Empreendedorismo Criativo", Mariana Castro conta a história de start-ups a partir de temas como "o que é", "como se tornou realidade", "modelo de negócio" e "futuro".

Abaixo, leia um trecho.

*

NOME INESPLORATO
O QUE É CURADORIA DE CONHECIMENTO
FUNDAÇÃO JANEIRO DE 2010
SÓCIOS DÉBORA EMM, ROBERTO MEIRELLES E CARLOS ALBERTO MARTINEZ
PROPÓSITO FAZER COM QUE A HUMANIDADE EVOLUA POR MEIO DO CONHECIMENTO

Divulgação
Para quem acredita ser possível transformar o mundo realizando o próprio trabalho
Para quem acredita ser possível mudar o mundo com trabalho

DESBRAVADORES DE CONHECIMENTO
Imagine uma empresa em que as pessoas são pagas para ir ao cinema, assistir a peças de teatro, ver shows e exposições. Recebem ainda uma verba extra para comprar CDs e livros. Um dia por semana, trabalham em casa para ter mais tempo de ler, estudar ou simplesmente navegar pela internet. A carga horária não costuma passar das oito horas por dia e não se trabalha aos finais de semana.

Um lugar em que a reunião semanal da equipe, toda segunda-feira, chama-se confraria, já que tem cara de encontro entre amigos. Cada um leva algum conteúdo interessante para ser discutido. Pode ser o trecho de um documentário, um site recém-descoberto, o CD de uma nova banda, uma crônica.

De tempos em tempos, todos viajam para a Europa ou para os Estados Unidos pela empresa para manter a cabeça atualizada e buscar novas referências. Lugar em que não há estrutura hierárquica. Ninguém manda em ninguém. Qualquer um pode dar "pitaco" em todos os projetos.

Há uma organização por núcleos, que são monitorados pelos sócios. Um dos núcleos cuida de assuntos ligados ao desenvolvimento individual e o outro, do desenvolvimento coletivo. Existe ainda um rodízio entre a equipe. Cada um fica na mesma função por apenas dois meses e depois muda de área. A ideia é que todos desenvolvam novas habilidades e cresçam profissionalmente.

Tudo isso acontece em um simpático sobrado com quintal, salas amplas e uma cozinha bem equipada, onde muitas vezes se prepara a comida para o almoço, em uma rua tranquila da Vila Mariana, zona sul de São Paulo.

Imaginou? Assim é o dia a dia da Inesplorato, que significa desconhecido em italiano, empresa que inventou uma nova profissão registrada na carteira de trabalho de cada um de seus dezesseis funcionários: curadores de conhecimento.

Quem juntou as duas palavras para dar vida à empresa foi Débora Emm. Em 2009, depois de viajar por três meses pela Europa, pedir demissão e passar dias em casa dando forma às ideias que a inquietavam, Débora resolveu estudar como havia surgido a figura do curador de arte.

A jovem de fala rápida e atitudes determinadas, com leve sotaque arrastado de quem nasceu em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, conta ter pesquisado que o curador apareceu na época em que o artista deixou de seguir regras que pautavam o mercado e passou a produzir de forma subjetiva. Quando a compreensão da arte se tornou mais complexa, algumas pessoas com capacidade de entender as propostas dos artistas e explicá-las ao público ganharam o papel de curadores. Essas pessoas curavam a incapacidade de entender a arte.

Débora enxergou uma semelhança entre a época do surgimento dos curadores de arte, na segunda metade do século XX, e a atual. Para ela, a transição de agora é termos passado de um momento em que éramos capazes de lidar com o conteúdo disponível para um momento em que não damos mais conta, pelo enorme volume e fácil acesso.

Daí veio a ideia de abrir uma empresa com profissionais cujo objetivo é cuidar da incapacidade do interlocutor de lidar com tanta informação, já que quanto mais conteúdo se tem, o mundo parece ficar mais complexo. Débora e os curadores da Inesplorato procuram transformar informação em conhecimento.

Para conseguir realizar a difícil missão, eles mergulham em pesquisas, teses e estudos de comportamento. É por isso que estão sempre lendo, assistindo a filmes, descobrindo conteúdos.

Dedicam-se a cruzar dados para diagnosticar anseios de pessoas e empresas, e a ajudá-las a encontrar caminhos para se relacionar melhor com qualquer tipo de informação. O grande diferencial é ser expert em diagnóstico: saber identificar uma necessidade de conhecimento e encontrar a manifestação certa para aquela demanda. Além disso, entregá-la de um jeito que não seja chato de consumir. Muito pelo contrário.

[...]

*

EMPREENDEDORISMO CRIATIVO
AUTOR Mariana Castro
EDITORA Portfolio-Penguin
QUANTO R$ 29,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

-

 
Voltar ao topo da página